• Procuradorias

Sobre a PTM Coronel Fabriciano

Horário de atendimento

De segunda a sexta-feira.
Das 9 às 17 horas.

 

Contato

Telefone: (31) 3846-0561
Fax: (31) 3846-0561

 

Endereço 

Rua Itaparica, nº 1375, Bairro Santo Elói
Coronel Fabriciano – MG
CEP: 35.170-101

 

 

Imprimir

Abrangência da PTM Coronel Fabriciano

Alto Caparaó, Alto Jequitibá, Alvinópolis, Antônio Dias, Barão de Cocais, Bela Vista de Minas, Belo Oriente, Bom Jesus do Amparo, Bom Jesus do Galho, Bugre, Caparaó, Caputira, Caratinga, Catas Altas, Chalé, Conceição de Ipanema, Coronel Fabriciano, Córrego Novo, Dionísio, Dom Cavati, Durandé, Entre Folhas, Iapu, Imbé de Minas, Inhapim, Ipaba, Ipanema, Ipatinga, Itabira, Itambé do Mato Dentro, Jaguaraçu, Joanésia, João Monlevade, Lajinha, Luisburgo, Manhuaçu, Manhumirim, Marliéria, Martins Soares, Matipó, Mesquita, Nova Era, Passabém, Piedade de Caratinga, Pingo-d'Água, Raul Soares, Reduto, Rio Piracicaba, Santa Bárbara, Santa Bárbara do Leste, Santa Margarida, Santa Maria de Itabira, Santa Rita de Minas, Santana do Manhuaçu, Santana do Paraíso, Santo Antônio do Rio Abaixo, São Domingos das Dores, São Domingos do Prata, São Gonçalo do Rio Abaixo, São João do Manhuaçu, São João do Oriente, São José do Goiabal, São José do Mantimento, São Pedro dos Ferros, São Sebastião do Anta, São Sebastião do Rio Preto, Sericita, Simonésia, Sobrália, Taparuba, Tarumirim, Timóteo, Ubaporanga, Vargem Alegre, Vermelho Novo.

Imprimir

Diário das Gerais: MPT pede condenação de Coelho Diniz em R$ 6 milhões

Fonte: Diário das Gerais 17.03.2015

Rede de supermercados, com mais de 2.500 empregados, não observa normas de segurança e cobra excesso de jornada regularmente

MINAS - A rede de supermercados Coelho Diniz é alvo de duas ações civis públicas (ACPs) de autoria do Ministério Público do Trabalho (MPT), por não observar normas de saúde e segurança no trabalho e também por não assegurar intervalos regulamentares. Nos dois casos, a insistência da empresa em permanecer descumprindo a lei, inclusive após fiscalizações e interdições, motivaram pedidos milionários de indenização por dano moral. Pelas irregularidades no meio ambiente a indenização pedida é de R$ 3,5 milhões, pelas fraudes relativas à jornada o valor é de R$ 2,5 milhões.

Continue Lendo

Imprimir